Psoas: Músculo da Alma

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Fiquei encantada quando me deparei com um trabalho incrível de Liz Koch porque confirmou muito do que eu já havia intuído em meu próprio corpo. Comecei a abrir e fechar minha prática de yoga com abertura de quadril, com a intenção específica de liberar a tensão em meus psoas e nos flexores do quadril. Eu respirava e imaginava a tensão que flui para fora dos músculos contraídos sendo lançada como energia para o tronco. Funcionou. Sinto meu corpo ficando suave e ao mesmo tempo, de alguma forma, mais forte. Lendo o que Liz Koch escreveu imediatamente percebi o que estava fazendo – ao aprender a relaxar meus psoas eu estava literalmente energizando o núcleo mais profundo do meu ser para uma reconexão com a energia poderosa da Terra. Segundo Koch, o psoas é muito mais do que um núcleo de estabilização muscular, é um órgão de percepção composto de tecido bio-inteligente e “literalmente encarna o nosso mais profundo desejo de sobrevivência e, mais profundamente, o nosso desejo elementar de florescer.” Bem, eu só tinha que aprender mais. Aqui temos apenas um pedaço da pesquisa que Liz Koch e outros descobriram a respeito da importância do psoas para a nossa saúde, vitalidade e bem-estar emocional. Músculo psoas no YogaO psoas é o músculo mais profundo que afeta nosso equilíbrio estrutural, a integridade muscular, flexibilidade, força, amplitude de movimento, mobilidade articular, e funcionamento dos órgãos. Crescendo para fora de ambos os lados da coluna vertebral, o psoas se estende lateralmente a partir das vértebras torácicas 12 (T12) para cada uma das vértebras lombares 5. A partir daí, flui para baixo através do núcleo abdominal, a pelve, para fixar a parte superior do fêmur, na coxa. O psoas é único “músculo” que se conecta com as pernas. Ele é responsável por nos manter em pé, e nos permite levantar as pernas para andar. Um psoas saudável, funcionando bem, estabiliza a coluna vertebral e fornece suporte através do tronco, formando uma prateleira para os órgãos abdominais vitais. O psoas está ligado ao diafragma por meio do tecido conjuntivo, ou fáscia, que afeta tanto a nossa respiração quanto o reflexo do medo. Isto é porque o psoas está diretamente relacionado ao cérebro reptiliano, a parte mais primitiva e interior do tronco cerebral e da medula espinhal. Como Koch escreve:
“muito antes da palavra falada ou da capacidade de organização desenvolvida do córtex, o cérebro reptiliano, conhecido por seu instinto de sobrevivência, mantém nosso funcionamento central essencial”.
Koch acredita que o nosso estilo de vida rápido e moderno (que gira em torno da adrenalina de nosso sistema nervoso simpático) cronicamente dispara e tensiona o psoas – tornando-o literalmente pronto para fugir ou lutar. O psoas te ajuda a entrar em ação – ou a encolher-se em uma bola de proteção.Cerebro Reptiliano Psoas Se constantemente contraímos o psoas devido ao estresse ou tensão, o músculo eventualmente começa a encurtar levando a uma série de condições dolorosas, incluindo dor lombar, dor sacroilíaca, ciática, problemas de disco, espondilose, escoliose, degeneração do quadril, dor no joelho, dores menstruais, infertilidade e problemas digestivos. Um psoas tenso não só cria problemas estruturais. Ele contrai os órgãos, coloca pressão sobre os nervos, interfere no movimento de fluidos, e prejudica a respiração diafragmática. De fato:
“O psoas é tão intimamente envolvido em tais reações físicas e emocionais básicas, que um psoas cronicamente apertado envia continuadamente sinais ao seu corpo de que você está em perigo, eventualmente exaurindo as glândulas supra-renais e esgotando o sistema imunológico.”
De acordo com Koch, esta situação é agravada por muitas coisas em nosso moderno estilo de vida. De assentos de carro a roupas apertadas. De cadeiras a sapatos que distorcem nossa postura, restringem nossos movimentos naturais e ainda contraem nossos psoas. Koch acredita que o primeiro passo para cultivar um psoas saudável é libertar a tensão desnecessária. Mas “trabalhar com o psoas não é tentar controlar o músculo, mas cultivar a consciência necessária para a detecção de suas mensagens. Isto implica fazer uma escolha consciente de se tornar somaticamente consciente.” orgaosUm psoas relaxado é a marca de uma vida e de uma expressão criativas. Em vez de um psoas contraído, pronto para correr ou lutar, o psoas relaxado e liberado está pronto para alongar e abrir, para dançar. Em muitas posturas de yoga (como da árvore) as coxas não podem girar totalmente para fora a menos que o psoas relaxe. Um psoas liberado permite que a parte frontal das coxas se alongue e que a perna se mova independentemente da pelve, melhorando e aprofundando a elevação de todo o tronco e do coração. Koch acredita que cultivando um psoas saudável, podemos reacender energias vitais do nosso corpo, aprendendo a nos reconectar com a força vital do universo. Dentro da tradição taoísta é dito que o psoas é o assento ou músculo da alma, e que ele circunda o “Dan Tien” inferior, um centro de energia principal do corpo. Um psoas flexível e forte permite que as energias sutis fluam através dos ossos, músculos e articulações. Koch escreve:
“O psoas, conduzindo energia, nos fundamentos da terra, como um fio de aterramento evita choques e elimina estática em um rádio. Liberada e aterrada, a coluna pode despertar “…” Na medida em que o fluxo gravitacional transfere peso através dos ossos, tecidos e músculos, para a Terra, a Terra devolve, fluindo pernas e coluna acima, uma postura, um movimento e uma expressão energizantes, coordenadas e animadas. É um diálogo ininterrupto entre o eu, a Terra, e o cosmos.”
Então, pode valer a pena, da próxima vez que você praticar, sintonizar e prestar atenção ao que os bio-inteligentes psoas têm a dizer. Texto traduzido de: http://bodydivineyoga.wordpress.com/2011/03/23/the-psoas-muscle-of-the-soul/ Revisão: Roberta Maran[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

O que as pessoas disseram sobre isso:

Psoas saudáveis, abençoados e amados! :)

Belo texto. Obrigada!

atenção e cuidado com seu psoas

maravilha de informação

que lindo estudo!

O conhecimento é libertario.

[…] os ísquios (ossos da bunda que a gente sente quando estamos sentadas) muito menos dominar o psoas (que só lendo quem entende do riscado você vai compreender) mas já sinto muita […]

[…] os ísquios (ossos da bunda que a gente sente quando estamos sentadas) muito menos dominar o psoas (que só lendo quem entende do riscado você vai compreender) mas já sinto muita […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *